Linux e Logs: A necessidade de auditar – Parte 2

O que, quando e onde logar.

A quantidade de logs nas redes e sistemas computacionais cresce exponencialmente, o que cria uma desafio sobre quais tipos de eventos registrar, além de onde armazena-los. O gerenciamento dos logs se faz necessário para assegurar que as informações registradas estejam armazenadas de forma segura e pelo período apropriado.

Além da complexidade do alto volume de logs que serão gerados pelos sistemas computacionais, existe a preocupação quanto ao armazenamento e segurança destes registros, para assegurar a eficácia do gerenciamento de logs a organização deve estabelecer políticas e procedimento para armazenamento, controle de acesso e rotatividade desses registros (tópicos que serão abordados nos capítulos seguintes). Ao definir as políticas para gerenciamento de logs a organização precisa ter o entendimento que cada sistema computacional gera esses registros de forma diferente, apesar de existirem padrões, convenções e RFCs estabelecidos.

Um ótimo de exemplo de armazenamento de logs é caixa preta presente nas aeronaves, onde podemos estabelecer uma analogia para definir o que deve ser registrado nos sistemas computacionais. A implementação desse sistema aprimorou de forma significante a identificação de falhas (sejam elas em processos, técnicas ou humanas) tornando o negócio (aviação) mais seguro. A caixa preta também armazena os logs em local apropriado, permitindo que em caso de falhas ou desastres se consiga recuperar as informações necessárias para auditorias ou investigações.

Feita essa analogia com a caixa preta, podemos assumir regras básicas para o armazenamento de logs em sistemas computacionais:

  • É preciso estabelecer quais registros devem ser gerenciados e definir o período e locais apropriados para armazenamento.
    O armazenamento de logs deve estar ligado aos interesses da organização e de acordo com o “Plano de continuidade de negócios”.

Algumas das principais atribuições dos profissionais responsáveis pelo gerenciamento de logs:

  • Monitorar os logs e “saúde” dos mesmos.
    Monitorar a rotatividade e armazenamento e e encriptação dos registros (se aplicável).
    Checar, testar e aplicar atualizações e correções para os software de log.
    Certificar que os relógios de todos os sistemas computacionais estejam alinhados.
    Reconfigurar os logs de acordo com mudanças nas políticas, tecnologias ou outros fatores.
    Documentar e reportar anomalias nas configurações de logs e processos.

Níveis de logging.

Tendo conhecimento que os logs nas redes e sistemas computacionais crescem de forma exponencial, é necessário entender a “classificação” destes registros para estabelecer políticas do que deve ser registrado e posteriormente armazenado.

Os níveis de log do Linux e outros sistemas operacionais estão padronizados e são classificados através da gravidade dos registros, que são identificados com uma numeração e abreviação comum do inglês, conforme tabela abaixo:

NUMERAÇÃO

NÍVEL

ABREVIAÇÃO

0

EMERGÊNCIA

EMERG

1

ALERTA

ALERT

2

CRÍTICO

CRIT

3

ERRO

ERR

4

AVISO

WARN

5

NOTIFICAÇÃO

NOTICE

6

INFORMAÇÃO

INFO

7

DEBUG

DEBUG

O nível debug, com identificador 7, registra todas as informações geradas pelo sistema, sendo útil para análise de problemas ou testes de serviços e aplicações.
Log em texto e log em memória

A memoria interna do sistema operacional gerencia e manipula processos sendo executados, arquivo abertos, portas e conexões abertas, e tudo isso e perdido ao desligarmos o computador.

Sabendo disso, precisamos entender o que são dados voláteis e não voláteis, para entendermos o que pode ser perdido ou recuperado durante o processo de desligamento do computador.

Dados voláteis

Os dados voláteis são informações que ficam armazenados na memoria principal do computador. Isso quer dizer que elas possuem um ciclo de vida curto, se comparadas com informações armazenadas na memoria auxiliar de um sistema.

Dados não voláteis

Os dados não voláteis são dados que podem permanecer na maquina durante longos períodos de tempo e podem ser recuperados mesmo apos a mesma ser desligada. Nada mais são do que conteúdo de arquivos, logs em texto e MACtimes.
O pecado pelo excesso

Segundo Claude Shannon, autor do livro “A teoria matemática da comunicação”, informação é tudo aquilo que reduz a incerteza. Esse conceito se aplica perfeitamente na decisão do que devemos registrar a armazenar, para que através da coleta destes dados os mesmos sejam transformados em informação útil e aplicável, aulixiando na tomada de decisões.

Na prática, é necessário estabelecer o nível de log necessário para cada sistema para o que os registros não conduzam a uma “enxurrada de informação”, para que a atividade de análise e auditoria de logs não se torne uma árdua tarefa de interpretação, aumente a incerteza, não facilite a tomada de decisões ou gere conclusões erroneamente fundamentadas que levam a decisões equivocadas.

Anúncios

Um comentário sobre “Linux e Logs: A necessidade de auditar – Parte 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s